Pegadas
 
Eu posso sentir toda a areia do deserto quando o sol vem ao meio do céu, eu posso sentir cada passo dado em todo o chão do mundo quando o homem veio ao meio dia de sua beleza, eu posso sentir o furacão arrastar os peixes de águas altas, eu posso entender as palavras do poeta suicida, posso encontrar o medo de perder, eu posso fingir que o mundo vai durar, que a vida jamais vai voltar e que o sol será a casa final da luz, por minhas mãos vazam as areias de suas montanhas, de seus castelos, de seus medos, de seus amores, por mim passam as histórias de mil caravanas e um cão sozinho na chuva, eles vão a algum lugar ao fim da rua, cruzam a minha vida pela janela pequena de meu tempo, e eu sinto o cheiro do chão molhado como se fosse o perfume do universo.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010 - 14:22
 


Deus morto.
 
Fui a um velório único: dentro do esquife estavam lá todos os sonhos para os homens, e eu chorei dolorosamente, a carpideira se invejou de meu sofrimento e aproximou-se me xingando, dizia-me que eu não tinha o direito de velar aquele corpo, aquele defunto era um pertence daqueles que estavam muito perto desde sempre, e dizia ela que eu estive longe de todos os sonhos para os homens, que eu fui a dianteira dos passos, eu nem respirava onde sobrevoei as nuvens, eu estava tão distante que escorreguei nas terras frias de luas dos planetas distantes, estava lá meu coração intocável, eu não tive como corrigir a velha dama, eu parei de chorar assim que aquilo tudo me preencheu com lembranças, então acordei de mim, ressurecto de uma noite triste, olhei para o caixão e nele vi o rosto de Deus morto, morto diante de mim, não parecia que qualquer coisa a partir de agora iria fazer sentido, eu me perguntei o que foram as eras, os homens e os palpites? Do que adiantou tanto caminho? Tantas direções para diferentes ninhos? Onde as coisas dormiram? Eu não vi nascer nada comigo, agora estou diante do Deus falecido, e as coisas continuam ao meu redor como antes foram, não deveria tudo se apagar junto com Ele? Onde está o coração de Deus que ainda pulsa, porque sua imagem e ossos estão diante de mim chorados pelos entes mais próximos que o acompanharam por todas as eras, por todos os homens e palpites, onde está o Deus vivo? Ao redor de mim tudo continua como ontem.

Voltei-me a carpideira, agora sorrindo, e perguntei onde estava o Deus vivo, já que o morto era chorado ali, ela sem saber me responder fez um silêncio como o do santo cadáver, e eu li em seus olhos:

"- Chorei em vão?"

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010 - 12:07

            Lopes Castro Gustavo


 
  • Fotos&Desenhos:
    -Lopes Castro Fotos
    -Corra Gu! Corra!
    -Photofilia

  • Outros blogs:
    -Entre Lá e Aqui
    -Bem Aventurado
    -Os Jardineiros
    -Espírito Motor
    -Habeas Corpus

  • Blogs que leio:
    >Cecília Braga - BA
    >Dan Ploc - SP
    >E-Brabo - PR
    >Ei João! - SP
    >Helder Caldeira - RJ
    >João Diel - SP
    >Marco Aurélio - SP
    >Música&BlaBlaBla - RJ
    >Rita Apoena - RS
    >Roberta De Felippe - SP
  • Marca-passo
  • Alvorada do Ontem
  • Preparado pra deixar
  • Águas de Voz
  • Janelas para Dentro
  • O Sacrifício de Cada Dia
  • Boas Vindas
  • Prece de Deus ao Homem
  • Sobre o Encontro
  • Dos dias de ir.
  • 02.2008
  • 03.2008
  • 04.2008
  • 05.2008
  • 06.2008
  • 08.2008
  • 09.2009
  • 04.2010
  • 07.2010
  • 10.2010
  • 11.2010
  • 12.2010
  • 04.2011
  • 01.2012
  • 05.2012
  • 06.2012
  • 07.2012
  • 08.2012
  • 09.2012
  • 10.2012
  • 11.2012
  • 12.2012
  • 01.2013
  • 02.2013
  • 03.2013
  • 04.2013
  • 05.2013
  • 08.2013
  • 09.2013
  • 11.2013
  • 12.2013
  • 01.2014
  • 02.2014
  • 03.2014
  • 07.2014
  • Último post
  • rodapedoblog01p (162K)